Emater traz tecnologia e orienta produtores de soja na área de grãos do Show Rural 2019

Por Ana Zimermann

Tecnologia de aplicação e manejo da fertilidade do solo com enfoque na adubação nitrogenada são destaques da área do Instituto Emater destinada ao cultivo de grãos no Show Rural 2019, onde os visitantes também podem conferir resultados e esclarecer dúvidas referentes aos manejos integrados de pragas e doenças na cultura da soja – MIP e MID, respectivamente. A infiltração de água no solo por meio do infiltrômetro também está entre os temas abordados pelos técnicos durante toda a semana do evento.

“As dúvidas mais frequentes dizem respeito ao modo como é feito o monitoramento da doença via coletor de esporos. Nesses casos, a gente explica que, no local onde está instalado o coletor, é feito o monitoramento com a leitura da lâmina – duas vezes por semana – até a identificação dos primeiros esporos, além da aplicação do primeiro tratamento com fungicida. Geralmente o próprio município possui um responsável pelas leituras, mas, na ausência desse profissional, as lâminas são enviadas ao Emater”, afirma a técnica Gláucia Dias Trevizan.

Outro cuidado importante que deve se ter nas lavouras de soja é a inspeção periódica, que deve ser feita pelo menos uma vez por semana para que os sintomas de doenças sejam rapidamente identificados. “Além da inspeção semanal, a recomendação para monitorar pragas é o pano de batida, que ajuda o agricultor a fazer a contagem dos inimigos naturais, para contabilizar a quantidade e identificar os diferentes tipos”.

O principal objetivo do monitoramento é constatar o nível de dano na lavoura, para que seja controlado e, consequentemente, evite que medidas exageradas sejam tomadas e diminua os custos, além de tratar as questões ambientais com a necessária e merecida atenção.

“É preciso evitar o uso demasiado e desnecessário de agrotóxicos e, com o monitoramento, a gente consegue reduzir isso. Por meio desse trabalho é feita a conscientização, não apenas pelo aspecto ambiental, mas também econômico. Em situações em que o monitoramento não é feito, às vezes a gente faz a pesquisa – com produtores que não são acompanhados pelo Emater – e constatamos que eles fazem seis, sete aplicações. Enquanto isso, as lavouras que são acompanhadas fazem duas ou três”, explica Gláucia.

O trabalho do Instituto Emater abrange desde o agricultor familiar até o empresarial. Na área do Show Rural, além de orientar seus visitantes sobre tecnologias e problemas comuns nas lavouras, os técnicos especialistas em cultura da soja alertam sobre a importância da intensificação dos cuidados durante a safra de verão.

Banco do Brasil Governo Federal