Artigo de Dilvo sobre expansão ferroviária repercute no Paraná

Por Jean Paterno

Dilvo entregou cópia de texto ao governador Ratinho Júnior, parlamentares e autoridades

Um artigo escrito pelo presidente da Coopavel, Dilvo Grolli, sobre o modal ferroviário repercute nas mais diversas esferas organizadas do Paraná. Durante a abertura do Show Pecuário 2019, no Parque de Exposições, Dilvo entregou cópias do documento ao governador Ratinho Júnior, aos deputados Coronel Lee, Márcio Pacheco e Marcel Micheletto e a autoridades dos mais diversos segmentos organizados.

No texto, que foi publicado em jornais, portais e sites de todo o Estado, o presidente da Coopavel fala sobre a Ferroeste e a importância estratégica de o Oeste e o Paraná contarem com uma estrada de ferro moderna e que, realmente, atenda aos anseios do setor produtivo.

Em um dos trechos, Dilvo afirma: “No Paraná, faz-se necessária uma nova versão de concessão, bem como um programa de investimentos em melhorias nas ferrovias e em novos trechos como o de Cascavel a Paranaguá, inclusive com o aproveitamento de parte da malha existente e ampliação da linha da Ferroeste para o Mato Grosso do Sul e para o Paraguai, via Foz do Iguaçu”.

E mais adiante, o presidente da Coopavel toca em um ponto especialmente defendido pelo governador do Paraná: “Neste momento, temos ainda a possibilidade e a perspectiva de uma Ferrovia Bioceânica que poderá causar verdadeira revolução na economia do Paraná com o fortalecimento do Porto de Paranaguá que já foi primeiro do Brasil em exportação de grãos. A perspectiva de retomada do crescimento da economia brasileira passa inevitavelmente por melhorias na infraestrutura”, afirma ele.

Dilvo Grolli toca em outro aspecto determinante da questão, da não renovação das atuais concessões ferroviárias. Sobre isso, ele afirma: “A renovação antecipada das concessões das ferrovias no Brasil já tem posicionamento contrário do Ministério Público do Tribunal de Contas da União, que pediu a rejeição da renovação antecipada da Concessão Ferroviária da Malha Paulista, operada pela mesma concessionária do Paraná, a Rumo”.

Dilvo conclui afirmando que “precisamos manter a luta no sentido de evitar a prorrogação das concessões, iniciadas em 1997, e que não trouxeram os prometidos investimentos em novas ferrovias ou o desembaraço dos gargalos existentes. A boa experiência da luta contra a renovação do pedágio no Anel de Integração do Paraná deve ser extendida para as ferrovias paranaenses e às da malha ferroviária do Sul do Brasil, para que o agronegócio paranaense e da América do Sul seja fortalecido”. (Leia o artigo na íntegra nas páginas iniciais desta edição da Revista Show Rural Coopavel)

Legenda 1: O ex-presidente da Coopavel, Ibrahim Faiad, Ratinho Jr. e Dilvo Grolli

Legenda: O presidente da Coopavel entregou cópia do artigo também aos deputados Márcio Pacheco, Coronel Lee e Marcel Micheletto

Crédito: Assessoria

Banco do Brasil Governo Federal