Comitiva do Oeste levará sugestão de obra de trevo ao MPF e governo

Por Jean Paterno

O movimento também tem o apoio das cooperativas da região, entre elas a Coopavel

Uma comitiva formada por deputados e líderes das mais diversas entidades representativas da região Oeste seguirá nos próximos dias a Curitiba para diálogos com o Ministério Público Federal e o Governo do Estado. No encontro, os representantes da região vão sugerir que parte dos recursos do acordo de leniência, firmado entre a concessionária do Lote 3 do Anel de Integração e o MPF, seja destinado à reestruturação do Trevo Cataratas, em Cascavel. Um dos maiores entroncamentos rodoviários do Sul do Brasil, o trevo há anos enfrenta problemas estruturais com o fluxo diário superior a 30 mil veículos.

A viagem à capital foi o consenso tirado de um encontro de líderes nesta sexta-feira, na Casa do Marquês. Na presença dos deputados Coronel Lee, Marcel Micheletto, Elio Rusch e Márcio Pacheco, além dos suplentes de senadores Plínio Destro e Vilson Basso, de prefeitos ligados à Amop e de representantes de entidades como Acic, Caciopar e Conselho de Desenvolvimento, houve consenso sobre a urgência de intervenções no trevo. “Estamos unidos por um interesse que é de todo o Oeste do Paraná”, ressalta o presidente da Coordenadoria das Associações Comerciais e Empresariais do Oeste, Alci Rotta Júnior.

O dinheiro para a execução da obra, que é aguardada há muitos anos, deverá vir de acordo de leniência entre a concessionária do Lote 3 do Anel de Integração e o Ministério Público Federal. Acordo da Ecorodovias e MPF, para colocar fim ao processo que apurou e constatou irregularidades na gestão do pedágio do trecho da BR-277 entre Guarapuava e Foz do Iguaçu, prevê devolução de R$ 400 milhões. “Somos uma das regiões que mais produzem e a que mais pagou pelo pedágio mais caro do mundo”, destacou o presidente do Programa Oeste em Desenvolvimento, Danilo Vendruscolo. “Precisamos alinhar nossas posições e mostrar que a região sabe o que quer”, complementou.

Histórico

A unidade de todas as forças políticas e de entidades regionais em torno das obras do trevo é considerada um feito histórico. “Esse é um exemplo de maturidade, que mostra que qualquer resquício de vaidade foi deixado de lado para que o Oeste tenha seus importantes pleitos atendidos”, afirmaram os parlamentares presentes. “Nossa região trabalha e produz muito, mas precisamos de obras de infraestrutura e logística para produzir e colaborar ainda mais com o desenvolvimento do Estado e do País”, afirmou o presidente da Amop (Associação dos Municípios do Oeste do Paraná), Junior Weiller.

Legenda: O encontro de deputados e líderes de entidades organizadas ocorreu nesta sexta-feira na Casa do Marquês, em Cascavel

Crédito: Assessoria

Banco do Brasil Governo Federal