Coopavel faz homenagem a fundadores e a dez dos seus colaboradores mais antigos

Jean Paterno

Sócios-fundadores e dez dos mais antigos colaboradores acabam de ser homenageados dentro da programação oficial em comemoração aos 50 anos da Coopavel Cooperativa Agroindustrial. Uma missa em Ação de Graças, celebrada pelo arcebispo Dom Mauro Aparecido dos Santos, foi o auge das atividades que recordam alguns dos mais emblemáticos capítulos do percurso da empresa oficialmente constituída em 15 de dezembro de 1970.

Carregada de simbologia, a missa abriu espaço durante o ofertório à apresentação de alguns dos principais itens industrializados e comercializados pela Coopavel, como grãos, insumos e carnes. “Cooperar significa compartilhar e é por isso que empresas com essa característica tão nobre tendem a influenciar tanto as suas comunidades. O cooperado é a figura central desse processo de união, trabalho e produção, porque sem ele a cooperativa não existiria”, destacou o arcebispo que há anos acompanha a caminhada da Coopavel.

Superação

Apesar das dificuldades de 2020, a Coopavel fechará o exercício com recorde de faturamento, na casa dos R$ 3,5 bilhões, o que faz dela a 16ª entre 1.613 cooperativas em atividade no Brasil. Mas para chegar a esse ponto ela precisou enfrentar inúmeras dificuldades e jamais entregar-se ao comodismo. “São 50 anos de muita dedicação, trabalho, confiança e otimismo”, conforme o presidente Dilvo Grolli.

Dilvo acompanha a Coopavel há mais de 35 anos e se emocionou ao lembrar de uma passagem em particular: “Em um determinado momento da década de 1980, a situação estava tão difícil que não tínhamos meios para pagar os salários dos nossos funcionários. Até que o Rizzardi (Rogério Rizzardi) chegou e disse que tinha a solução, que era possível fazer dinheiro com a venda de sacaria usada. E deu certo. A Coopavel é uma cooperativa movida pela superação”, afirmou o presidente.

Homenagem

A celebração dos 50 anos foi marcada pela homenagem aos sócios-fundadores e a dez dos mais antigos colaboradores da cooperativa. Apenas um dos 42 sócios-fundadores ainda está vivo. É João Ramiro que, devido aos seus 89 anos, não participou da cerimônia. Ele foi representado pelo filho, o engenheiro João da Silva. “Obrigado a esses grandes líderes que souberam entender o momento e que, com coragem e determinação, criaram as condições certas para oficializar o início da Coopavel”, destacou Dilvo.

Placas

Os funcionários mais antigos agraciados com placas em reconhecimento à sua dedicação e trabalho em favor da Coopavel foram os seguintes: Melcy Domingos Parisotto (42 anos de empresa), Enio Darci Jung (41 anos), Moacir Kessler (41 anos), Jurandir de Mattos (39 anos), Eurípedes Mariano (38 anos), Nilberto Rafael Vanzo (37 anos), Rogério Rizzardi (36 anos), José Oliveira (34 anos), Ancelmo Rosa da Silva (34 anos), Sérgio Moacir Dalla Costa (34 anos), Paulo Eduardo Siqueira (33 anos) e Fernandes Moreno (33 anos).

Com a homenagem a essas dez pessoas, disse Dilvo Grolli, a diretoria e os cooperados publicamente manifestavam sua gratidão a todos os colaboradores que, nessas cinco décadas, ajudaram a consolidar uma cooperativa atuante e inovadora. De apenas 42, atualmente a Coopavel conta com 6 mil cooperados. Já os funcionários somam 6,2 mil. Sempre conectada com o futuro, a cooperativa faz em 2020 investimentos que alcançam a cifra de R$ 170 milhões, recursos empregados na modernização e construção de novas estruturas de armazenagem e na ampliação de agroindústrias.

A missa dos 50 anos foi celebrada pelo arcebispo Dom Mauro

Crédito: Assessoria