Pressão e exigências devem ser combustíveis do sucesso

Por Jean Paterno

A resiliência é uma palavra que não está na moda à toa. Ela emerge de um cenário no qual o talento, a capacidade e o empreendedorismo de cada um são cotidianamente testados. “A pressão e as exigências do mercado, cada vez maiores, não podem ser fatores de desânimo e sim combustíveis para o sucesso”, disse o presidente da Coopavel, Dilvo Grolli, fim de semana durante o Technovação, evento de tecnologia e inovação que reuniu milhares de pessoas no Centro de Convenções e Eventos de Cascavel.

Durante palestra no Fórum 4.0 Agro, Dilvo falou da tecnologia e das contribuições da inovação para incrementar os números do agronegócio. “Trabalho, perseverança e otimismo são aliados indispensáveis em um mercado de inúmeros desafios, mas também de enormes oportunidades”, citou o presidente da Coopavel. “Se não for assim, o profissional estará derrotado muito antes de o jogo começar”. Saber superar a adversidade e tomá-la como fator de aprendizado é caminho para vencer e obter bons números mesmo em períodos de crise, afirmou ele.

O peso do propósito no cotidiano de quem está no mercado foi outro aspecto ressaltado pelo presidente da Coopavel, que falou para um público basicamente formado por acadêmicos e jovens matriculados em cursos técnicos. Dilvo destacou o papel do empreendedorismo para vencer em um mercado altamente competitivo. Mais que isso, da necessidade de ser um hábil comerciante para ter êxito em um quadro movido por tantas novidades. Ele falou também de medidas simples que fizeram do Show Rural Coopavel um sucesso não apenas em tecnologias e inovação, mas em modelo de organização.

Às vezes, a solução está em uma medida extremamente simples e que, no início, pode não ser levada a sério como deveria. Duas edições consecutivas com chuva reduziram o público e colocaram o Show Rural em um cenário difícil. Até que alguém sugeriu que se cobrisse as ruas para proteger os visitantes da chuva. A resposta da medida foi além e a cobertura acabou virando proteção também para os dias de calor. “Isso quer dizer que é necessário ajustar a sua empresa ou o seu negócio ao que de fato as pessoas querem e esperam dele”, disse Dilvo Grolli. A tecnologia elevou, em 30 anos de evento, a produtividade da soja e do milho em mais de 300% na região.

Inovação

Outros números facilitam a compreensão do que a tecnologia representa para o agronegócio brasileiro. Há 20 anos, um agricultor produzia alimentos suficientes para 19 pessoas e hoje, com os recursos disponíveis, a relação subiu de um para 220. Dilvo destacou como oportunidade a recente abertura do mercado indiano para a carne de frango brasileira. Lá, o consumo per capita de carne é de meio quilo, na China é de 15 e nos Estados Unidos e Brasil é de 42 quilos.

O presidente da Coopavel fez considerações sobre o Show Rural Digital, sensação da mais recente edição da feira, em fevereiro. “Não há mais como separar agronegócio e tecnologia. E pelo que se viu lá e se vê aqui, no Technovação, essas são duas áreas que evoluirão surpreendentemente nos próximos anos”, ressaltou Dilvo.

Organizado pela Fundetec (Fundação para o Desenvolvimento Científico e Tecnológico de Cascavel), o Technovação abriu espaço para empresas, startups e escolas técnicas e universidades compartilharem conhecimentos. A Coopavel foi uma das empresas expositoras e, lá, além de divulgar o Show Rural Digital fez inúmeros contatos de olho na segunda edição agendada para 3 a 7 de fevereiro de 2020.

Legenda: Palestra de Dilvo durante o Technovação, realizado no Centro de Convenções de Cascavel

Crédito: Assessoria

Banco do Brasil Governo Federal