Tecnologias de combate ao desperdício de água são sensação

Por Jean Paterno

Legenda: Novidade no conjunto de banheiros que atendeu o Show Rural Digital

Boa parte das novidades apresentadas no Show Rural Digital tem a sustentabilidade como uma de suas características. Pela primeira vez, o evento contou com uma tecnologia já comum em países desenvolvidos. Três mictórios foram instalados em um dos conjuntos de banheiros ao lado da estrutura do SRD. Na parte externa, recipientes para a coleta de água da chuva também chamaram atenção.

Os produtos são distribuídos na região de Cascavel pela TRC, empresa voltada à sustentabilidade e à economia de água, diz o diretor André Luiz Lorensi. “A novidade caiu no gosto dos frequentadores, que buscaram mais informações sobre o funcionamento dessas tecnologias”, diz o coordenador do Show Rural Digital José Rodrigues da Costa Neto. A TRC atua com prestação de serviços e com a venda de produtos, todos voltados a questões ecológicas.

Algumas das soluções, que incluem ajustes em torneiras, chuveiros e descargas, além de detecção e combate a vazamentos, levam a até 20% de economia de água. A TRC Sustentável representa três empresas: produtos ecológicos de combate a odores em empresas e tratamento de efluentes; de cisternas para coleta de água da máquina de lavar e da chuva, com capacidades de 150 a 1.050 litros (fabricados no Rio Grande do Sul), e mictórios, que empregam tecnologia desenvolvida nos Estados Unidos.

Água

Em uma época de combate ao desperdício, produtos com esse apelo têm forte aderência principalmente com o público jovem. Os mictórios instalados no conjunto de banheiros do SRD empregam um gel, que elimina odores. Quarenta gramas de gel são suficientes para 1,5 mil usos. “Se levarmos em conta que no modelo convencional cada descarga consome até três litros de água, então é possível entender o ganho dessa tecnologia”, segundo André. Os mictórios podem ser usados em empresas, indústrias e cooperativas. Já as cisternas têm utilização ainda mais larga. O retorno do investimento, nos dois casos, pode ocorrer em até três anos.

Crédito: Assessoria

Banco do Brasil Caixa Governo Federal