Bom desempenho de 2019 baliza planejamento para novo exercício

Por Jean Paterno

Legenda: Dilvo Grolli destacou a importância do prédio Paraná Cooperativo ao movimento cooperativista do Estado

As 216 cooperativas integradas ao Sistema Ocepar faturaram no ano passado R$ 87 bilhões, soma equivalente a 60% da movimentação do agronegócio no Estado. Essa foi uma das informações que o presidente da Ocepar, José Roberto Ricken, apresentou na quinta-feira, em Cascavel, durante uma das quatro pré-assembleias do Sistema no interior do Paraná. “Esse é um número significativo, que mostra a força, a pujança e o dinamismo do agro e do cooperativismo paranaense”, disse em sua saudação aos presentes o presidente da Coopavel Dilvo Grolli. A pré-assembleia contou com a participação de diretores e representantes das cooperativas do Núcleo Oeste.

Setores estratégicos da Ocepar apresentaram informações gerais de 2019, exercício considerado dos melhores do cooperativismo estadual. Ao mesmo tempo em que mostram o peso do setor, os dados balizam o planejamento de 2020. Há vários bons indicadores que fazem acreditar que o ano pode ser especial, entretanto existem preocupações dos impactos que a pandemia do coronavírus poderá trazer. “É claro que essa é uma situação que aciona alertas, porque a conta em algum momento vai ser cobrada”, segundo Dilvo Grolli. “Os desafios são grandes, porém o cenário é de oportunidades e precisamos estar preparados”, destacou.

Dois dos momentos mais especiais de 2019 tiveram relação direta com a ministra da Agricultura e Pecuária Tereza Cristina Dias. No primeiro, ela permitiu decretar o Paraná como área livre da febre aftosa sem vacinação (reconhecimento internacional deverá sair em 2023) e de colocar o Estado em uma área de controle mais apropriada segundo o seu novo status sanitário. Líderes do setor concordam que, ao observar todos os passos recomendados por organismos nacionais e estrangeiros, abrem-se novas possibilidades de mercado para a carne produzida no Estado. O presidente do Sistema Ocepar destacou o Plano de Desenvolvimento Cooperativo e da expectativa de em 2020 o faturamento das cooperativas estaduais chegar próximo dos R$ 100 bilhões.

Ascendente

O movimento cooperativista do Paraná é considerando o mais organizado do País. Sozinho, responde por 25% dos indicadores nacionais. Além de faturamento de R$ 87 bilhões, no último dia útil de 2019 eram 2,18 milhões o total de cooperados, 107,2 mil os empregos gerados, R$ 57 bilhões movimentados em crédito, US$ 3,9 bilhões em exportações e R$ 2,7 bilhões em investimentos. Um dado facilita a compreensão do que esses indicadores representam. Em 2015, o faturamento das cooperativas era de R$ 50 bilhões e agora está muito perto de a meta de dobrá-lo em cinco anos ser confirmada.

Áreas

Os presentes à pré-assembleia foram informados sobre medidas programadas para 2020 em diversas áreas fundamentais à cooperação. Entre elas estão representação, planejamento, intercooperação, desenvolvimento, comunicação, mercado, gestão e governança, inovação e equipe. “O trabalho de profissionalização e de otimização de competências e resultados é constante”, segundo o superintendente do Sistema Ocepar Robson Mafioletti. A elaboração e licitação do novo modelo de pedágio é um dos assuntos pulsantes nas reuniões de diretoria das cooperativas. Dilvo Grolli afirma que não há outro caminho senão o de defender o sistema de tarifa com menor preço ao usuário e a execução de obras segundo os interesses de quem paga a conta.

O superintendente da Fecoopar/Paraná, Nelson Costa, apresentou um dado preocupante, de que 74% das propriedades rurais do Paraná ainda não contam com sinal de internet. “Isso é grave e devemos agir para tentar reverter o quadro rapidamente. Esse assunto deve envolver a todos, inclusive o governo estadual, já que as novas máquinas e equipamentos usam o que há de melhor em tecnologia para que ofereçam desempenho elevado aos produtores rurais. O superintendente do Sescoop/Paraná, Leonardo Boesche, apresentou resultados de 2019 e uma das informações chamou atenção especial.

No ano passado foram realizados dez mil eventos em todo o Estado pelo Sistema Ocepar (oito mil apenas do Sescoop). Isso equivale a 454 horas em média de dias úteis de treinamentos, com 57 salas de cursos em média por dia, e cada uma delas com 26 participantes. Atualmente, segundo Leonardo, 204 cooperativas são monitoras, em quesitos de gestão por exemplo, no Paraná. A pré-assembleia desta quinta, no prédio Paraná Cooperativo, abrigou também a realização de encontro do Sincoopar Oeste.

O presidente Dilvo e o superintendente Sergio Brum apresentaram cases de um projeto que poderá ser compartilhado com outras cooperativas. O Sincoopar criou grupos específicos de profissionais e técnicos para o gerenciamento e correta aplicação e observação de normas regulamentadoras, e os resultados são considerados muito bons. As outras pré-assembleias, além de Cascavel, aconteceram nesta semana em Guarapuava, Laranjeiras do Sul e Maringá. A assembleia geral ordinária do Sistema Ocepar está agendada para o dia 2 de abril, em Curitiba.

Crédito: Assessoria

Banco do Brasil Caixa Governo Federal