Socioambiental

Com 391 mil visitantes e R$ 6,1 bi em negócios, 36º Show Rural bate recordes

Legenda: Dilvo e Rogério com os coordenadores do 36º Show RuralCrédito: Assessoria A 36ª edição do Show Rural Coopavel entra para a história como a maior já realizada. O presidente Dilvo Grolli anunciou na tarde desta sexta-feira, 9, os números finais do evento iniciado na segunda-feira: 391.316 visitantes passaram pelo centro tecnológico da cooperativa nos cinco dias e o volume comercializado pelos 600 expositores alcançou R$ 6,1 bilhões. O público desta sexta foi de 58.216 pessoas. Em 2023, o Show Rural recebeu 384.022 visitantes. “Esse é o maior número da história do Show Rural, que começou em 1989 com apenas 110 visitantes. Esse é o resultado do planejamento e da união de uma equipe comprometida e que quer o melhor para um evento que dissemina inovações para o campo produzir mais, melhor e com sustentabilidade”, afirma Dilvo, agradecendo a todos que, de uma forma ou outra, contribuíram para que o evento acontecesse. Neste ano, houve recorde também de tecnologias apresentadas para as mais diversas áreas da cadeia do agronegócio. “Cento e sessenta empresas de inovação e startups participaram do Show Rural Digital, mostrando o quanto essa conexão da tecnologia com o campo é forte e inseparável”. Realizar um evento com essa amplitude exige amor, dedicação, trabalho duro e muita persistência, complementa o coordenador geral, o agrônomo Rogério Rizzardi. A edição de 2025 já tem data para acontecer: 10 a 14 de fevereiro. A missa de abertura será no dia 9 de fevereiro.

Resíduos gerados durante o Show Rural Coopavel tem destinação adequada

Legenda: A engenheira ambiental Lucimar Novaes Crédito: Assessoria A preocupação com o meio ambiente vai além das palestras e convênios firmados ao longo do ano pela Coopavel, ela pode ser verificada na prática, principalmente durante a realização da 36ª edição do Show Rural. Aproximadamente 200 colaboradores estão envolvidos nos serviços de coleta, limpeza, separação e gestão dos resíduos gerados entre os dias 5 e 9 de fevereiro.  “Nós temos uma grande preocupação com a gestão dos resíduos, devido ao grande volume gerado, desde as etapas de montagem e desmontagem da feira, além dos dias de realização do evento em si”, comenta a coordenadora da área de Meio Ambiente do Show Rural Coopavel, Lucimar Novaes da Silva.  Todos os resíduos gerados são coletados por uma equipe da Coopavel, são encaminhados para a Unidade de Triagem de Resíduos (UTR), localizado no final do espaço onde é realizado o Show Rural. Lá eles são separados entre resíduos que são passíveis de reciclar e dos rejeitos (material sujo) e resíduos orgânicos. “Na UTR esses resíduos são todos separados, os recicláveis são prensados e depois é dada a correta destinação final para cada tipo de material de acordo com práticas sustentáveis”, explica Lucimar. Dentro do parque estão distribuídas lixeiras diferenciando para o descarte desses materiais. “É lógico que enfrentamos ainda um grande desafio, que é a questão cultural, temos muita dificuldade ainda da separação na fonte, no momento da geração. Então, na unidade de triagem fazemos esse trabalho final. São 40 pessoas só cuidando da separação dos resíduos e mais 30 na coleta. São sete equipes fazendo a coleta e levando para a unidade triagem”, relata a coordenadora. Segundo Lucimar, a expectativa para esse ano é recolher algo entre 120 a 140 toneladas de resíduos no parque, no evento como um todo, contemplando todas as etapas do evento. Com o auxílio de uma prensa, cedida provisoriamente pela prefeitura de Cascavel, os resíduos são compactados e armazenados na UTR até ser dada a destinação final.  Legenda: Trabalho de triagem dos resíduos do parque Crédito: Assessoria Natúlia e Cataê Como forma de trabalhar a Educação Ambiental e auxiliar as pessoas orientando sobre os destinos corretos de resíduos os personagens Natúlia e Cataê circulam e abordam as pessoas nos espaços do Show Rural. “A Coopavel lançou recentemente o programa de gestão de resíduos chamado Cataê, que tem como objetivo também levar a informação e sensibilização ao público com relação a importância de fazermos a gestão adequada dos resíduos. Isso se estende não só ao Show Rural, mas proporcionar ao visitante que ele entenda a importância de adotar a prática da separação e da sustentabilidade na casa dele também”, explica Lucimar. 

Ministro da Agricultura participa de lançamentos da Embrapa e destaca relevância da Ciência na transformação do agro brasileiro

Legenda: Fávaro e Massruhá durante a entrega simbólica das tecnologias lançadas Crédito: Assessoria A Embrapa realizou solenidade de lançamento de tecnologias no Show Rural Coopavel (Cascavel -PR), quarta-feira, 7 , na Vitrine de Tecnologias da Embrapa, com a presença do ministro da Agricultura e Pecuária Carlos Fávaro, da presidente da Embrapa, Silvia Massruhá, do chefe-geral da Embrapa Soja Alexandre Nepomuceno, do presidente da Coopavel, Dilvo Grolli, do secretário de Agricultura e Abastecimento do Estado do Paraná, Noberto Ortigara, e da chefe-geral em exercício da Embrapa Agrobiologia, Ana Cristina Garofolo. Na solenidade, foram feitas entregas simbólicas dos produtos em lançamento: duas cultivares de soja (BRS 1064IPRO e BRS 1056IPRO), uma cultivar de feijão (BRS FS 313) e um bioproduto com ação na fixação de nitrogênio e promoção de crescimento de plantas (Combio). Em seu discurso, o ministro da Agricultura Carlos Fávaro enfatizou que o Brasil é o maior produtor e exportador de vários produtos da agropecuária brasileira. “O Brasil é pujante e um líder mundial na produção de alimentos - com qualidade -  isso é fruto de muito trabalho e dedicação, de investimentos e de parcerias”, enfatizou. “E a Embrapa, como produtora de ciência e tecnologias, tem alcançado  muitos resultados, por meio  de parcerias que estimulam o desenvolvimento produtivo. Em 50 anos, nossa produção e produtividade cresceu em 500%. Isso é ciência, é Embrapa, é desenvolvimento para o campo e para o Brasil”, defende. Neste contexto, a presidente da Embrapa Silvia Massruhá disse que o Show Rural é um evento que tem como diferencial a disponibilização de novidades e o estímulo à transferência de tecnologias para a campo. “Fiquei muito feliz ao ser abordada por um produtor, no Show Rural, que  testemunhou estar alcançando ganhos competitivos com as novas variedades lançadas pela Embrapa”, relata. “Esse retorno é muito gratificante. Além de novas cultivares, também estamos colocando no mercado novos insumos biológicos e entendo que a agricultura de base biológica é uma alternativa interessante que vem agregando diferenciais à agricultura brasileira”, afirma.Na ocasião, a presidente da Embrapa agradeceu aos parlamentares, que tem apoiado a Embrapa financeiramente com emendas no legislativo, assim como o Ministério da Agricultura e a Casa Civil que conseguiram cerca de R$ 1 bilhão de recursos no Plano de Aceleração do Crescimento (PAC) para revitalizar laboratórios e campos experimentais da Embrapa, assim como apoio às OEPAS. “Além dessa melhoria na infraestrutura, precisamos valorizar o capital humano da Embrapa, por meio de capacitação e da contratação de novos cientistas para continuar produzindo com qualidade”, observa. “A Embrapa  trabalha de A à Z, de açaí a zebu: estamos à disposição de todos os produtores rurais, porque somos uma empresa estatal que investe em segurança alimentar para garantir a soberania nacional”, defende.Parceria Embrapa e Coopavel - Silvia Massruhá também afirma estar trabalhando com novos modelos de negócio e novas fontes de financiamento.  Durante a solenidade, a Embrapa e a cooperativa Coopavel assinaram uma carta em apoio a ações de inovação em agricultura de base biológica. As instituições manifestaram interesse em fortalecer iniciativas conjuntas direcionadas à prospecção de novas oportunidades de parcerias para o desenvolvimento de insumos biológicos e apoio a ações de capacitação e treinamento de técnicos e produtores rurais. Dilvo Grolli reconhece o valor da Embrapa no desenvolvimento de tecnologias desde a década de 1970. “A Embrapa teve no passado variedades de soja muito plantadas e, todos os anos, continua lançando novidades no Show Rural”, ressalta. “Atualmente temos um Centro-oeste grandioso, porque tivemos a Embrapa pesquisando e desenvolvendo sementes para aquele solo e aquele clima: esse é um grande mérito da Embrapa. Eu, como produtor rural e presidente de cooperativa, entendo que é uma responsabilidade de todos incentivar a pesquisa feita pela Embrapa pelos resultados disponibilizados”, afirma.  Confirma mais informações sobre os quatro lançamentos da Embrapa, durante o Show Rural.  Soja BRS 1064IPRO - A Embrapa, em parceria com a Fundação Meridional, está lançando a cultivar BRS 1064IPRO, que possui excelente desempenho produtivo, com alta estabilidade e boa adaptação. Essa cultivar apresentou ganho produtivo de 6,8% acima da média das principais cultivares padrões de mercado, de amplo cultivo na macrorregião de indicação. Indicada para os estados do Paraná, São Paulo e Mato Grosso do Sul, além de ser recomendada para o centro-norte de Mato Grosso do Sul e sudoeste de Goiás (REC 301). A novidade tem ciclo semi-precoce (grupo de maturação 6.4). A BRS 1064IPRO apresenta ampla janela de semeadura e de adaptação e resistência ao acamamento e às principais doenças da soja, principalmente à podridão radicular de Phytophthora e aos nematoides de galha e de cisto (raça 3). Soja BRS 1056IPRO Outro lançamento da Embrapa, em parceria com a Fundação Meridional, é a cultivar BRS 1056IPRO que tem como ponto forte a excelente performance produtiva. Esse lançamento traz ainda características como estabilidade de produção, resistência ao acamamento, tipo de crescimento indeterminado e ciclo precoce (grupo de maturação relativa 5.6). Tem agradado o fato dessa cultivar possibilitar o plantio antecipado, o que permite a sua inserção no sistema de rotação e/ou sucessão com outras culturas. Com relação à sanidade, a cultivar apresenta resistência às principais doenças da soja. É indicada para o Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Paraná (RECs 102 e 103) e São Paulo (REC 103).  Feijão BRS FS 313Com potencial produtivo de 3.200 kg/ha, a BRS FS313 apresenta resistência à antracnose e podridões radiculares e moderada a resistência à murcha de fusário e ferrugem. Com ciclo semiprecoce (75 a 84 dias), a nova cultivar tem arquitetura de plantas semiereta e resistência intermediária ao acamamento, sendo adaptada à colheita mecânica, oferecendo ainda possibilidade de inserção em sistemas agroecológicos. Os grãos especiais do tipo jalo têm como público principal pequenos produtores, com modelo de negócio baseado na comercialização de cadeia curta. No entanto, devido ao tamanho dos grãos, a BRS FS313 tem sido observada como oportunidade para expansão do mercado nacional e internacional. O desempenho da nova cultivar a recomenda para os Estados de Mato Grosso do Sul, Paraná, Santa Catarina, São Paulo e Rio Grande do Sul, na época das águas; para Goiás, Mato Grosso, Tocantins, Rio de Janeiro, Espírito Santo e o Distrito Federal, nas épocas das águas, da seca e de inverno; e para Bahia e Maranhão, nas épocas das águas e de inverno. Bioinsumo Combio Resultado de uma parceria da Embrapa com a empresa privada Innova Agrotecnologia, o Combio é um bioinsumo promotor de crescimento e com efeitos aditivos na cultura da soja. Trata-se de uma combinação de três estirpes bacterianas que atuam na fixação biológica de nitrogênio e na promoção de crescimento de plantas. O Combio é uma formulação com as estirpes bacterianas BR 29 (Bradyrhizobium elkanii), BR 10788 (Bacillus subtilis) e BR 10141 (Paraburkholderia nodosa). O diferencial deste inoculante é que alia os benefícios do tradicional inoculante de Bradyrhizobium com bactérias que desempenham vários mecanismos estimuladores e protetores de plântulas, proporcionando maior qualidade e uniformidade. Lebna Landgraf (MTB 2903 - PR)Embrapa SojaContatos para a imprensasoja.imprensa@embrapa.brTelefone: (43) 3371-6061 - whatsapp

Vitrine Agroecológica no Show Rural completa 20 anos com homenagem a pioneiros

Legenda: Lineu Domit discursou em nome de todos os pioneiros da Vital Crédito: Assessoria Durante as comemorações dos 20 anos da Vitrine Tecnológica de Agroecologia Vilson Nilson Redel (Vital), no Show Rural Coopavel, em Cascavel (PR), no dia 6 de fevereiro,  foram  homenageados 18 pioneiros, sendo quatro pesquisadores da Embrapa: Lineu Alberto Domit, da Embrapa Hortaliças, Alberto Feiden, da Embrapa Pantanal; Claudine Dinali Santos Seixas, da Embrapa Soja, e Maria Izabel Radomski (in memoriam), da Embrapa Florestas.Criada em 2003, a partir de uma iniciativa da Embrapa, com o Instituto de Desenvolvimento Rural do Paraná (IDR-PR), antiga Emater Paraná, a Vital ocupa atualmente um espaço  de 4,4 mil metros quadrados. Ao longo dos anos, a Itaipu Binacional tornou-se uma parceira efetiva no processo de desenvolvimento da Vital, colaborando no planejamento, condução e financiamento do espaço.O pesquisador Lineu Domit que foi o articulador para que o espaço fosse viabilizado, em 2003, discursou em nome dos homenageados. “Nossa intenção sempre foi promover as iniciativas de pesquisa e extensão rural conduzidas pelas entidades parceiras, simulando uma pequena propriedade em sistema de produção agroecológica para demonstrar a viabilidade desse sistema de produção”, ressalta. “Nem sempre é fácil, porque, precisamos de um esforço de todas as instituições para conduzir a área como uma propriedade rural, ou seja, que demanda ações durante todo o ano”, diz. Ana Euler, diretora de Negócios da Embrapa, ressalta a importância de produzir alimentos com qualidade e, de forma sustentável, integrando solo, água, planta, ambiente e as pessoas. “Estou feliz por estar aqui nessa comemoração. Sei da importância dessa jornada de construção dessa ciência, junto com os agricultores que trabalham com sistemas agroecológicos”, afirma. “Estamos hoje apresentando o morango BRS DC25 (Fênix) e a batata BRS Gaia, destinados para atender pequenos produtores em sistema orgânicos e agroecológicos - e mostrando que é uma prioridade da Embrapa trabalhar para a erradicação da fome no Brasil”, ressalta. Para as comemorações dos 20 anos da Vital, as ações foram organizadas por 12 entidades parceiras: cooperativa Coopavel, Rede Ecovida de Agroecologia, Paraná Mais Orgânico, da Secretaria de C&T e Ensino Superior (PMO/SETI), Centro de Assessoria e Apoio ao Desenvolvimento da Agricultura Camponesa (CeaCampo), cooperativa Biolabore, Centro de Apoio e Promoção de Agroecologia (CAPA),  empresa Gebana, Universidade Estadual do Oeste do Paraná(Unioeste), IDR-Paraná, Universidade Federal do Paraná (UFPR), Universidade Federal da Fronteira Sul (UFFS), Embrapa e Itaipu Binacional.   Embrapa na Vital 2024 A Embrapa apresenta duas entregas recentes da pesquisa, durante as comemorações dos 20 anos da Vital, no Show Rural Coopavel. A cultivar de morango BRS DC25 (Fênix) e a de batata BRS Gaia, que foram lançadas em 2023 integram os destaques da Empresa durante o evento. Além disso, a Embrapa estará apresentando na Vital: duas batatas doce roxa  (BRS Anembé e BRS Cotinga), duas batatas doce alaranjada (CIP BRS Nuti e Batata-doce Beauregard), três gergelins (BRS Anahi, BRS Seda e BRS Morena), um feijão vermelho (BRS Embaixador), três rajados (BRS Executivo, BRS FS 311 e BRS FS 305) e um mulatinho (BRS FS 307), arroz para sequeiro (BRS A502 e BRS Esmeralda), alface (BRS Leila), berinjela (Ciça), uma cenoura (BRS Paranoá), três pimentas (BRS Araçari, BRS Moema e RS Tui), quatro tomates (BRS Nagai, BRS Zamir, BRS Imigrante e BRS Couto), três grãos de bico (Cícero, BRS Aleppo e BRS Kalifa), duas mandioca (BRS 399 e BRS 429), um milho orgânico (BRS Caimbe),  um girassol (BRS 323) e uma soja convencional (BRS 546). Principais temas da VitalOs temas apresentados na Vitrine Tecnológica de Agroecologia em 2024 são: Mandala (plantas medicinais e PANC nativas), Culturas anuais (soja, milho, arroz, gergelim, feijão, amendoim), Olericultura a campo com foco em SPDH- Sistema de Plantio Direto de Hortaliças (alface, quiabo, pepino, abobrinha), além de culturas como tomate, alho-poró, cenoura, SAF-Sistema Agroflorestal (frutas nativas, espécies arbóreas, culturas anuais), Horta caseira (cultivos de condimentares e hortaliças em pequenos espaços) , Plantas de cobertura (mucunas, feijão-de-porco, crotalárias), Variedades de Batata-doce e morangos, Pecuária (homeopatia e pastagens), alimentação alternativa-capim BRS Curumi e BRS Capiaçu, moringa, Certificação Orgânica -Programa Paraná Mais Orgânico (Tecpar e Ecovida). Lebna Landgraf (MTB 2903 - PR)Embrapa SojaContatos para a imprensasoja.imprensa@embrapa.brTelefone: (43) 3371-6061 - whatsapp

Mais Notícias