Cooperativas

Com 391 mil visitantes e R$ 6,1 bi em negócios, 36º Show Rural bate recordes

Legenda: Dilvo e Rogério com os coordenadores do 36º Show RuralCrédito: Assessoria A 36ª edição do Show Rural Coopavel entra para a história como a maior já realizada. O presidente Dilvo Grolli anunciou na tarde desta sexta-feira, 9, os números finais do evento iniciado na segunda-feira: 391.316 visitantes passaram pelo centro tecnológico da cooperativa nos cinco dias e o volume comercializado pelos 600 expositores alcançou R$ 6,1 bilhões. O público desta sexta foi de 58.216 pessoas. Em 2023, o Show Rural recebeu 384.022 visitantes. “Esse é o maior número da história do Show Rural, que começou em 1989 com apenas 110 visitantes. Esse é o resultado do planejamento e da união de uma equipe comprometida e que quer o melhor para um evento que dissemina inovações para o campo produzir mais, melhor e com sustentabilidade”, afirma Dilvo, agradecendo a todos que, de uma forma ou outra, contribuíram para que o evento acontecesse. Neste ano, houve recorde também de tecnologias apresentadas para as mais diversas áreas da cadeia do agronegócio. “Cento e sessenta empresas de inovação e startups participaram do Show Rural Digital, mostrando o quanto essa conexão da tecnologia com o campo é forte e inseparável”. Realizar um evento com essa amplitude exige amor, dedicação, trabalho duro e muita persistência, complementa o coordenador geral, o agrônomo Rogério Rizzardi. A edição de 2025 já tem data para acontecer: 10 a 14 de fevereiro. A missa de abertura será no dia 9 de fevereiro.

Fórum de TI discute os desafios da transformação digital

Legenda: Plácido da Silva Júnior, responsável pelo Fórum de TI Crédito: Assessoria Organizado pela Ocepar, OCB e Coopavel, o Fórum de TI das cooperativas do Paraná e Gov BR Show reuniu um grupo qualitativo de brasileiros e paraguaios na Arena Hackathon, do Show Rural Digital, para discutir sobre liderança e transformação digital do cooperativismo. Em dois dias, os participantes trafegaram em assuntos como liderança, transformação digital e Cyber segurança. Nesta quarta-feira (07) o painel sobre “Transformação Digital no Cooperativismo” foi mediado por Rogério Aver, da Coopavel, e teve como debatedores Emerson Zanoti (Integrada), Thiago Algeri (Frimesa), Saul Kirienco (Lar). Fernando Zamai (Cisco) falou sobre o tema “Protegendo o Agronegócio na era digital”.  Os representantes das cooperativas abordaram sobre os desafios encarados para conciliar as diversas tecnologias de informação com os objetivos e capacidades das cooperativas. Ficou claro a necessidade de buscar informações e entender a maturidade do cenário de cada um para que os investimentos sejam mais assertivos e seja possível avançar coletivamente.  Plácido da Silva Júnior, responsável pelo Fórum de TI, avalia de forma positiva o envolvimento das cooperativas no evento. “Esse foi um Fórum de extremo sucesso, casa cheia, Léo Farah falando sobre liderança, a Beia Carvalho falando sobre ‘No futuro tem tecnologia e tem humanidade?’.  Quando a gente fala de tecnologia ela não é nada, ela não é boa e ela não é ruim por natureza, temos que lembrar que o ser humano está no centro de qualquer tipo de tecnologia. É muito importante entender o uso da tecnologia e poder, claro, encurtar caminho e buscar ampliar resultados para as nossas cooperativas. Enfim, saio daqui com o sentimento de missão cumprida e tenho certeza de que o objetivo de atender as cooperativas e os profissionais de TI foi cumprido com sucesso”, avalia o organizador.  Os debatedores discutiram como a transformação digital  acontece de fato na realidade cooperativista, no dia a dia das cooperativas. “Isso é muito rico para nós, são experiências de cooperativas utilizando e aplicando tecnologia falando para outras cooperativas. O Sistema Ocepar busca proporcionar esse ambiente de integração, de troca de informação, e o Show Rural Digital é um evento que proporciona o contato com tendências, com novidades, com erros, com acertos, na área de tecnologia. E isso faz com que as nossas cooperativas possam encurtar caminho na busca de soluções”, salienta Plácido Júnior.  Cibersegurança Fernando Zamai reforçou que ao mesmo tempo que a transformação digital é cheia de oportunidades e vantagens, ela também carrega inúmeras oportunidades para as pessoas má intencionadas. “Eles têm algo que nós não temos: tempo para se dedicar e se aperfeiçoar”, comenta Zamai ao alertar o público que o caminho é investir na contratação de serviços que garantam a segurança digital.  Ele defende que é mais eficiente as empresas contratarem um serviço de nuvem para proteger seus dados, desta forma podem focar seus investimentos em outras áreas. “É muito triste quando a gente tem um ataque aos sistemas digitais porque nada mais funciona. Pessoas são demitidas, o volume de dinheiro é muito grande, e aí se descobre de uma forma muito triste, que eu poderia ter investido um pouquinho em cybersegurança. É como se fosse um seguro, você pode assumir o risco de operar sem um seguro, mas na hora que acontecer o problema o impacto financeiro pode ser muito maior do que era aquele seguro, que é o ponto de segurança”, salienta. Zamai também avaliou positivamente o Fórum, o fato de se discutir a segurança digital para ele já gera um alerta futuro para cada cooperativa que pensar em um processo novo, quais são as medidas que podem ser adotadas para garantir a segurança da informação.  Legenda 2: Fórum de TI é uma das atrações do Show Rural Digital Crédito: Assessoria

Fávaro afirma, no Show Rural, que governo está atento às demandas do agro brasileiro

Legenda: Dilvo Grolli e o ministro da Agricultura, Carlos Fávaro, na manhã desta quarta, no parque do Show Rural Crédito: Assessoria O ministro da Agricultura, Carlos Fávaro, disse na manhã desta quarta-feira, 7, no Show Rural Coopavel, em Cascavel, que o governo federal está atento às demandas e às expectativas do agronegócio brasileiro. Fávaro citou, entre outros, o lançamento do maior Plano Safra da história do País que disponibilizou R$ 400 bilhões ao setor. “E, graças à agilidade do Banco do Brasil (e outros bancos e cooperativas), esse dinheiro chega rápido onde precisa e o retorno, além de mais produção, está nos empregos e em mais desenvolvimento”. São 21 instituições, segundo Fávaro, operacionalizando os recursos do Plano Safra, dando mais oportunidades e competividade a uma área indispensável ao País. O ministro informou também que já começaram as operações do pré-custeio para a nova safra, fator que garante mais tranquilidade ao campo. “É uma grande alegria estar aqui no Show Rural, a primeira das grandes feiras que abre o calendário nacional de eventos técnicos pelo Brasil. É aqui que o agropecuarista decide sobre o que comprar e como investir para melhorar ainda mais os resultados”. Fávaro anunciou a liberação de mais R$ 4 bilhões para produtores rurais investirem em novas tecnologias e citou também sobre estoques reguladores, uma estratégia do governo para, segundo o ministro, dar mais estabilidade ao setor. “Quero dizer também que o ano de 2023 foi especial. Mostramos o agro brasileiro, sua qualidade, competência e sanidade, para o mundo, e conseguimos, com isso, abrir 78 novos mercados aos produtos nacionais, em 39 países”, afirmou Fávaro, atribuindo esse sucesso à competência do agricultor, das cooperativas e empresas. Para 2024, seguiu ele, o desafio é conseguir acesso às proteínas nacionais aos mercados do Japão e Coreia do Sul. Sobre a importação de tilápias do Vietnã, Carlos Fávaro afirmou que as tratativas foram suspensas para uma rigorosa revisão de todos os protocolos sanitários. “Ao agradecer a recepção de Dilvo Grolli, o ministro citou o Show Rural e o estreitamento do diálogo com as cooperativas, área que integra mais de 20 milhões de brasileiros”. O secretário nacional de Política Agrícola, Neri Geller, destacou a importância de debates fundamentais que começam a ser aprofundados nas áreas de infraestrutura, melhorias no seguro agrícola, entre outros. “Estamos alinhados com o setor produtivo nacional”, reforçou. Encontro de tecnologias O presidente da Coopavel, Dilvo Grolli, agradeceu a visita de Fávaro e Geller e classificou o Show Rural como um centro no qual há o encontro das tecnologias locais, nacionais e mundiais. “Esse evento oferece tudo isso ao produtor, com o equilíbrio necessário para os mais diferentes avanços”. O secretário da Agricultura, Norberto Ortigara, lembrou das dificuldades de preços e perda de safra e que juntos será possível encontrar a melhor saída para atender os produtores. Segundo Ortigara, o Brasil deverá chegar em poucos anos a 36 milhões de toneladas de proteínas produzidas e a 400 milhões de toneladas de grãos. Em seguida, Fávaro e comitiva cumpriram diversas agendas pelo parque.

Palestras diárias no CTA reforçam prevenção contra a Influenza Aviária

Técnicos da Adapar abordam a temática no estande do Centro Tecnológico em Avicultura (CTA) com palestras diariamente às 14h Legenda: O técnico Jeison Solano Spim Crédito: Assessoria O Brasil ainda ocupa lugar de destaque, frente a outros grandes produtores mundiais de aves, por continuar livre de casos de influenza aviária. Durante toda a semana do Show Rural, o Centro Tecnológico em Avicultura (CTA) apresenta informações e palestras sobre a Influenza Aviária. O tema foi definido em parceria pela Coopavel, Agência de Defesa Sanitária do Paraná (Adapar) e Ministério da Agricultura e Pecuária. “Estamos muito animados com essa parceria e convidamos os produtores a participar e a conhecer mais sobre assuntos relevantes sobre sanidade”, reforça o presidente da Adapar, Otamir César Martins. Os técnicos da Adapar abordam a temática no estande do Centro Tecnológico em Avicultura, com palestras diariamente às 14h. Nesta segunda-feira (5), o técnico Jeison Solano Spim falou sobre o cenário mundial e como isso influencia a produção e a economia nacional. Ele relatou que o vírus já afetou todos os países que são grandes produtores de frango e concorrentes do Brasil.  “Há 15 dias aproximadamente nós tivemos até um urso polar morrendo de influenza aviária, então é uma doença que o vírus já está em todo lugar. O trabalho da Adapar é fazer um monitoramento sobre a circulação do vírus no sentido de orientar os produtores e realizar a fiscalização para garantir que o vírus não entre no país, principalmente em granjas comerciais. Os países que já passaram por isso tiveram grandes prejuízos e hoje ainda estão lidando com a situação, pois é necessário implementar uma série de medidas para diminuir as mortalidades e controle de trânsito”, alertou. O técnico atribui a condição brasileira ao trabalho conjunto que é feito de fiscalização pelo governo e a resposta do próprio produtor. “As empresas fazem um trabalho muito bom, de garantir essa biossegurança. Essa parceria do setor público e do setor privado tem garantido esse status sanitário vantajoso para o Brasil, mas temos que manter esse status”, frisa Jeison Spim.  Simulação Os visitantes do CTA, poderão visualizar a simulação de uma granja aviária e das medidas de segurança que devem ser tomadas para garantir a biossegurança da produção avícola.  Vários técnicos abordam simultaneamente a temática e podem orientar tanto os produtores, quanto esclarecer as dúvidas dos visitantes.  A Adapar também apresenta no local um mapa da concentração de aviários em todo o estado. Por meio de um mapa de calor, é possível identificar quais as regiões que possuem ou que concentram mais granjas avícolas. A preocupação das instituições vai além da situação sanitária. A economia das commodities em favor dos produtores nacionais depende dessa condição de permanecer livre da circulação do vírus no território nacional. Isso torna o monitoramento cada vez mais estratégico.

Mais Notícias